terça-feira, 26 de março de 2013

Resenha: Quilombo - Calabouço de almas


"Ânimo, fé e Coragem, para efetuarem a própria remoção do calabouço íntimo."

Autora: Angelina Sales pelo espírito Pedro
Editora: Itapuã
Gênero: Espiritismo/Psicografia/Romance espírita
N. de páginas: 272

Sinopse: Europa, berço de uma experiência doutrinária que, em nome de Deus, acorrenta almas tingidas, pela necessidade geográfica, no suposto intuito de serem evangelizadas.África, nação da recomposição emocional aprisionadas pelas correntes da escravatura.
De senhores a escravos do próprio destino, o homem forja a lei sagrada.
Transcorrem os anos e séculos, e o aventureiro e destemido europeu engaja a esperança na Terra Santa - Brasil.
Nasce uma nação mercantilista que se utiliza do recurso de almas de pureza regional, para atingir o eldorado da fartura.
Neste belo romance, acompanharemos a história de Pedro - Zumbaia - desde sua captura no Zambe, na África, até seu destino final, a cidade de Sabará...
Bandeiras de homens destemidos e gananciosos percorrem mata adentro, com seus escravos e guiados pelos índios.
Nesta corrida desenfreada, o europeu se enclausura mais no reforçar a posição de do rodopio de almas, que se amarguram e se entregam a quilombos perdidos.
Nomes e renomes, até o apogeu denominado Sabará, fixam em seu eixo central seu magnetismo próprio.
De sentimentos de ganho a sentimentos de perda, os gigantes e os gigantes ataram laços de recomposição de vida.
No hoje, alimentados pela desonra emocional, os envolvidos neste transcurso África, Brasil e Sabarabuçu, acorrentados, farejam a libertação dos quilombos mentais.


Resenha: Pedro conseguiu salvar sua Tuanã e seu filho Tuã, mas não conseguiu se salvar ou aos irmãos de sua aldeia. Naquele ataque quem não foi morto ou torturado teve sua liberdade arrancada. O homem branco chegou levando-os a um sentido que nunca imaginariam ser possível, trazendo dor, humilhação, sofrimento e raiva, uma raiva alimentada por todo os tipos de tortura, corrosiva á alma e ao espírito.
Levados, os escravos não tinham direitos. Estiveram no navio negreiro por vários meses, o cárcere de seus corpos e prisão de seus espíritos. Pedro assistia a seus irmãos serem torturados, inclusive ele próprio, e o pior, muitas vezes não sabia nem o motivo. Teve que presenciar seus amigos serem mortos, não podia fazer nada, era escravo, acorrentado pés, mãos e o corpo. Pensava e sofria, tinha ódio. Lembrava de sua terra Zambe, de sua amada e seu filho que não pode ver crescer.
"Mas os filhos que o Pai Maior nos dá. estes, se não soubermos cuidar, não se recuperam, e choramos pela falta de compromisso que não tivemos com eles."

Pedro em sua terra natal tinha sido treinado para ser curandeiro, temia os espíritos que não conseguiam livrar seus corações do ódio nutrido por tanto tempo, precisava perdoar, lembrava de seus deuses, e pedia proteção, as vezes desacreditava tamanha as crueldades que sofriam.

Desembarcando em terra firme, continuava seus sofrimentos, muitos escravos sendo punidos em praça pública. Os capitães tinham prazer na tortura, as vezes o faziam com sorriso no rosto, abandonavam o escravo a morte lenta e tortuosa.
A sinhazinha Ermelinda sofreu aborto de um filho do Pedro, que mesmo sendo escravo sucumbia ao desejo carnal .
O comendador Belar não era abolicionista mas era um homem visionário, sofreu muito com o desencarne de Sebastião, que depois de anos de servidão deixou saudade.
Em tempos de escravidão, a vida sofrida, viviam á base de tristeza e trabalho. Em Sabarabuçu a vida para os escravos era bem pior, os castigos, a fome, a total falta de qualquer sentido, o comendador Belar estava perplexo com o tratamento dado aos escravos, tanto que não se admirou de os donos estarem perdendo a autoridade com seus escravos.
"Na lavagem do ouro, os escravos tinham que trabalhar nus, pois assim não roubariam nenhuma pepita de ouro ou pó.

Imagine estar despido aos olhos dos senhores de engenho, trabalhando para os próprios terem tecidos belíssimos, feitos para fardá-los e ocultá-los da falta de amor!"
Será que mesmo depois de tanto sofrimento o perdão deveria ser liberado? Conseguimos perdoar setenta vezes sete? e os escravos, realmente eram homens sem alma, como afirmava a igreja? o homem encarnado muitas vezes é escravo de suas próprias ações e se torna prisioneiro de suas angústias.

Impressões: Gostei muito da história, aprendi um pouco mais sobre encarne e desencarnes, na verdade eu não tinha considerado antes de ler este livro. É um livro muito bem escrito, é fácil sua leitura, muito bem explicado, e com toda certeza um livro que deixam emoções fortíssimas. É muito difícil agente encarar a realidade, mas nos somos realmente escravos de nossas ações. Este é um livro que nos ensina a perdoar e nos mantermos puros, mesmo que tenhamos motivo para odiar.

Um pouco sobre a autora: Angelina Sales é terapeuta com consultório em Belo Horizonte/Minas Gerais. Durante muitos anos atuou na área de educação como professora de português e inglês. Espírita desde o berço; é oradora e expositora com trabalhos desenvolvidos em várias casas espíritas, trabalhos estes, voltados ao estudo e divulgação do espiritismo  Médium a mais de 25 anos, atualmente colabora ativamente na Casa fraternidade e Amor; durante as reuniões de oração e tratamento espiritual, atuando ainda na orientação as gestantes carentes. Voluntária nas instituições: Novo Céu; Lar do Marcos; asilo Frei Otton. Por meio da psicografia tem trazido até nós obroas de grande importancia na divulgação da doutrina espirita, tais como: Gota de luz na flor de laranjeira; O Despertar de um Novo Dia; Quilombo, Calabouço de Alma.

Para quem aprecia fortes emoções e queiram ver a vida de uma perspectiva diferente, Quilombo esta mais que recomendado.

Boa leitura!

5 comentários:

  1. Ao ler a resenha fui imediatamente remetido a narrativa de Alex Haley que magistralmente narrou a saga de uma família em Negras Raízes.
    Importante nunca deixar que o povo brasileiro esqueça está mácula da sociedade que foi o período tenebroso da escravidão.
    Os meus Parabéns para a autora Angelina Sales.

    ResponderExcluir
  2. Cara Simony, sou encantado por livros com temática espírita, é uma doutrina que me entusiasma, me faz ver sentido nas coisas do mundo, por tudo aquilo que a gente passa. É uma questão de resgate, de merecimento. Quero acreditar que nossa vida tem um porquê. Então quando me deparo com livros dessa natureza quero lê-los, quero compartilhar minha leitura também. Bela dica!

    ResponderExcluir
  3. A resenha ficou ótima!
    Espero ler ainda!
    Olha a autora é mineirinha amei!
    Bjus!
    Tamires C.
    http://de-tudo-e-um-pouco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Livros espíritas sempre mexe com a gente...
    Parece ser uma estória de arrepiar e emocionante.

    Adorei a resenha.
    Parabéns a você e a autora.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Achei um tema bem interessante, mas não tenho muito interesse em livro assim. Eu provavelmente não leria esse livro.
    Mas que bom que ele passa uma mensagem, isso é realmente importante.

    André Luiz
    www.viajandonoslivros.com

    ResponderExcluir

Vamos ficar super felizes com seu comentário.
Já estamos até sentindo sua falta!
Volte logo tá?
Bjão
Equipe Cia do Leitor