quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Resenha: Inferno - Dan Brown


"Destruição da camada de ozônio, falta d’água e poluição não são a doença (do planeta)... são o sintoma. A doença é a superpopulação (de humanos)."

INFERNO 
Dan Brown.
Editora: Arqueiro

Páginas: 443


Sinopse: No meio da noite, o renomado simbologista Robert Langdon acorda de um pesadelo, num hospital. Desorientado e com um ferimento à bala na cabeça, ele não tem a menor ideia de como foi parar ali.
Ao olhar pela janela e reconhecer a silhueta do Palazzo Vecchio, em Florença, Langdon tem um choque. Ele nem se lembra de ter deixado os Estados Unidos. Na verdade, não tem nenhuma recordação das últimas 36 horas.
Quando um novo atentado contra a sua vida acontece dentro do hospital, Langdon se vê obrigado a fugir e, para isso, conta apenas com a ajuda da jovem médica Sienna Brooks.
De posse de um macabro objeto que Sienna encontrou no paletó de Langdon, os dois têm que seguir uma série inquietante de códigos criada por uma mente brilhante, obcecada tanto pelo fim do mundo quanto por uma das maiores obras-primas literárias de todos os tempos: A Divina Comédia, de Dante Alighieri.
Mais uma vez superando as expectativas, Dan Brown nos leva por uma viagem pela cultura, pela arte e pela literatura italianas – passando por lugares como a Galleria degli Uffizi, o Duomo de Florença e a Basílica de São Marcos.
Inferno é uma leitura eletrizante e um convite a pensarmos no papel da ciência para o futuro da humanidade.

Resenha:

E não é que nosso Professor conseguiu se meter novamente em uma confusão de proporções mundiais? Eu fico pasmo com a periculosidade que lecionar em Harvard pode trazer pra nossa vida.
O importante é que Dan Brown fez de novo. Com sua receita de sucesso ele nos leva através dos mistérios da cultura italiana a desvendar um mundo velado e interessantíssimo de histórias que não são contadas. Nos bombardeando com milhares de pequenas informações e curiosidades muito enriquecedoras. Sinto como se tivesse estado de fato na Itália. Aliás se fosse para contar unicamente como guia turístico esse livro já valeria a pena.
Mas vamos ao que interessa! Dessa vez Robert Langdon acorda em uma cama de hospital com a única informação de que levou um tiro na cabeça e em consequência disso está com amnésia (Sim, Dan Brown usou a batida história da amnésia, mas ficou ótimo). Sem saber sequer como foi parar na Itália ele se descobre perseguido por uma espiã que invade o hospital atirando para todos os lados.
Robert encontra a ajuda de sua recém conhecida médica, Siena Brooks, escapando com sucesso da mulher misteriosa. Siena o leva para sua casa onde lhe mostra um pequeno tubo com um símbolo de risco biológico, provavelmente o motivo de Robert estar sendo perseguido. O professor tenta pedir ajuda ao consulado e é traído. Sem saber em quem confiar começa a já conhecida e alucinante caçada pela cidade, onde nosso simbologista é perseguido por Deus e o mundo enquanto analisa intricados quebra-cabeças que nos levarão por um maravilhoso e emocionante tour cultural.
Ao que tudo indica, um brilhante cientista, apaixonado pela obra de Dante Alighieri, ao ver que ninguém tomava atitudes quanto ao acelerado crescimento populacional no nosso planeta que eclodiria em um futuro próximo apocalíptico, resolveu criar algum tipo de vírus capaz de dizimar mais da metade da população do nosso planeta para nos dar tempo de evoluir e salvar nossa espécie de nós mesmos e só Langdon será capaz de seguir a trilha deixada por ele para encontrar o local onde o vírus repousa aguardando ser liberado.
Desta vez o autor deixou o vaticano descansar, numa guinada os “vilões” são os mais racionalistas, os cientistas e transumanistas.
Não posso contar muito da história sem soltar algum spoiler o que vai me obrigar a ficar por aqui na parte do enredo. Mas lembrando que, como sempre, o livro vale muito a pena ser lido.

Impressões adicionais:

Eu fiquei muito feliz com a capa brasileira do livro que é linda, ainda mais se colocarmos ao lado da capa da edição britânica que, em comparação, achei ridícula.
A capa traz uma vista panorâmica da Basílica di Santa Maria Del Fiore, Florença - Itália, em sépia por trás de um tipo de papel ou véu rasgado com linhas que seguem com nomes de pecados capitais. No meio temos a imagem de Dante e à sua frente círculos concêntricos com as letras do enigma inicial do livro. Obviamente uma alusão aos nove círculos do inferno da divina comédia.
Analisando a história criada por Dan Brown achei algumas pequenas falhas de verossimilhança que me incomodam um pouco ao ler, mas que foram colocadas para construir o suspense da trama e informar ao leitor do que termos mais técnicos poderiam estar falando. Por exemplo Langdon não saber o que era um bioaerossol. Penso: se eu sei, Langdon tem que saber! (rs) Até porque pela etimologia da palavra dá pra ter uma ideia, mas... enfim.
Ainda sobre a narração achei que em partes o autor se estendeu demais na hora de detalhar as construções e pontos turísticos e até ao visitar alguns lugares desnecessários pra trama e que pareceu que estava só fazendo propaganda da Itália mesmo. Será?
O único ponto negativo desse livro, pra mim, foi a impressão. A tinta das letras se desprende com facilidade e o leitor tem que ler com cuidado ou acaba borrando as folhas se passar o dedo. Agora estou com medo de, se emprestar pra alguém, ele voltar faltando partes. Já sabem, não peçam! (O lado bom é que esse já tenho uma desculpa pra não emprestar)
No mais... vocabulário, construção dos personagens, quesito mistério, suspense, ação e até romance eu daria nota 10. É um livro pra pensar e nos colocar de frente, de modo ficcional com uma realidade que todos nós negamos diariamente e a respeito da qual, de fato, nenhuma autoridade se manifesta em criar soluções. Não diria que foi o melhor livro do Dan Brown. Mas com certeza será outro grande sucesso que continuo recomendando a todos.
Não vou resistir a mostrar que, como em todos os livros do mesmo autor, foi exatamente assim que senti ao final do livro:

6 comentários:

  1. Oi Piter, que ótima resenha!
    Gostei das dicas, dos comentários, achei o seu jeito de falar sobre o livro bem legal.
    Eu confesso que apesar de gostar dos filmes baseados em seu livros, não tenho muita vontade de ler os mesmos... kkkkk
    Quem sabe, uma hora dessas crio coragem e embarco nestas leituras?
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  2. Esse livro está na minha lista de desejados *-*
    Espero comprar logo, pois estou bem curiosa para saber mais sobre essa trama. Adorei a resenha
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  3. Oi Piter,
    tudo bem?
    Eu sou fã do autor, adoro o estilo dele. E gostei muito dos filmes também.
    Nem precisava de resenha para me convencer a ler.
    Mesmo assim eu li e gostei muito da resenha, ficou muito legal. Uma pena esse problema com a tinta nas páginas do livro.
    Beijos.
    Cila- Leitora Voraz
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Sou fã do autor e vou querer conferir este livro também.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Tenho lido muitos comentários sobre o exagero das descrições de Italia... parece um erro demasiado infantil para ser cometido por Dan Brown. Adorei o video do Family Guy. Ainda me estou a rir ;)

    ResponderExcluir
  6. Oi adorei sua resenha!.. muito obrigado...me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?
    busca.livrariasaraiva.com.br/saraiva/Reverso
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir

Vamos ficar super felizes com seu comentário.
Já estamos até sentindo sua falta!
Volte logo tá?
Bjão
Equipe Cia do Leitor