quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Resenha: Grandes Esperanças - de Charles Dickens

Grandes Esperanças
Charles Dickens
Editora Landmark

Sinopse: Em 1861 Dickens publicou o mais equilibrado de seus romances: "Grandes Esperanças". A obra foi inspirada em sua experiência amorosa com a atriz Ellen Ternan, com a qual rapidamente se decepcionou. Grandes Esperanças é uma de suas obras-primas. Dickens acreditava, como todo inglês médio da época, na imutabilidade da hierarquia social e condensou no destino de Pip - principal personagem da obra - sua própria experiência: os perigos de uma ascensão social demasiado rápida.
Resenha

Esse dia foi memorável para mim, pois causou grandes mudanças no meu destino. Mas é assim com todo mundo. Subtraia um determinado dia de sua vida e veja que, sem ele, sua vida teria tomado um rumo diferente. Faça uma pausa por um instante, leitor, e pense na comprida corrente de ferro ou de ouro, de espinhos ou flores, que jamais se lhe estaria ligada, se um certo dia memorável não tivesse formado o primeiro elo dessa corrente.

Grandes Esperanças narra a estória de Pip. Um humilde garoto órfão que vive com sua irmã mais velha e seu cunhado Joe em uma pequena cidade no interior da Inglaterra. A vida de Pip é bem simples, ele está sendo criado à mão pela irmã e, por não se lembrar de seus pais, ele gosta de ir ao cemitério e imaginar os rostos deles baseando-se nas letras das lápides.
Um dia quando fica até tarde no túmulo de seus pais, Pip é surpreendido por um bandido em fuga. Essa bandido ameaça Pip, diz que ele deve levar comida e uma serra para que o mesmo possa se livrar das correntes. E se Pip não fizer isso, o seu "parceiro" o matará. Por ser extremamente inocente Pip acredita nessa estória e rouba a comida da cozinha da irmã e a serra do seu cunhado ferreiro. A partir daquele momento a vida de Pip começaria a mudar.
Enquanto ainda carregava a culpa desse crime nas costas, ele é chamado para que faça companhia a Miss Havisham, uma mulher extremamente "excêntrica" que vive em uma sinistra mansão. Nessa mesma ocasião ele também conhece Estela, a filha adotiva de Miss Havisham. E desde da primeira vez que conhece Estela, Pip sabe que ele jamais poderia esquecê-la.
O problema é que Miss Havisham sofreu uma grande desilusão amorosa quando jovem e decidiu criar Estela de forma que ela quebre o coração de todos os homens. O que rapidamente acontece com Pip. 
Pip sempre manteve uma linda amizade com Joe, seu cunhado. Antes de visitar Miss Havisham, Pip nunca viu qualquer defeito nele e esperava um dia se tornar o seu aprendiz. Mas bastou uma visita para que a visão de Pip mudasse. Bastou sofrer uma vez o desprezo de Estela para que ele começasse a reparar em como era pobre, em quanto Joe era vulgar.

Ela me lançou um olhar triunfante ao passar, como se ela se alegrasse por minhas mãos serem tão ásperas e minhas botas tão grosseiras; então abriu o portão e ficou segurando-o. Eu já estava passando sem olhar para ela, quando ela me tocou com um gesto de zombaria.
"Por que você não chora?"
"Porque eu não quero."
"Você chorou", ela disse. "Chorou até ficar quase cego pelas lágrimas, e está a ponto de chorar de novo agora."
Ela riu com desdém, empurrou-me para fora e fechou o portão sobre mim. (…) Enquanto andava, ia pensando em tudo que havia visto, e meditando profundamente no fato de que eu era um trabalhador vulgar; que minhas mãos eram ásperas; que minhas botas eram grosseiras, que eu tinha adquirido o hábito desprezível de chamar valetes de Jacks; que eu era muito mais ignorante di que eu teria me considerado na noite anterior, e, de modo geral, que eu ia de mal a pior.

Por mais que ele queira esquecê-la, ele não consegue. Estela o assombra em tudo que ele faz e mesmo após se tornar aprendiz de Joe e de parar de vê-la, a garota não sai de sua cabeça. Para Pip começa a ficar bem claro que ele não pode mudar de vida, mudar o seu destino. Ele começa a se conformar com ser um ferreiro quando tudo muda novamente. Um benfeitor misterioso resolve custear os estudos de Pip em Londres para que ele um dia se torne um cavalheiro. Ele não pode questionar quem é esse benfeitor e ele deve partir em breve. Em Londres ele terá um tutor, Mr. Jaggers, que por acaso é o advogado de Miss Havisham.
E é a partir desse momento que o futuro de Pip começa a ser escrito. Pip deixa para trás a vida pobre no interior e mergulha em um mundo de extravagâncias. Ele começa a mudar quem ele era para que possa se adequar a essa nova realidade. Sempre mantendo o amor e a obsessão que sente por Estela. Ele passa a esquecer de seu passado, sempre focado nas grandes esperanças que o aguardam no futuro.
A narrativa do livro é dividida em três partes e ela sempre segue Pip. A obra como um todo é grandiosa. Ela mostra de forma impressionante como a vida e a personalidade de Pip é moldada pelas pessoas e o ambiente a sua volta. Quando criança, Pip é completamente diferente do que se torna depois que vai para Londres e cresce. Dickens narra os erros, acertos e arrependimentos de Pip da forma mais humana possível. Pois mais do que tudo, Pip é humano e como tal não é perfeito. A mudança de classe o muda também. A estória mostra a realidade daquela época, mas em certos momentos parece que nada mudou, que ainda vivemos como antigamente e estamos sujeitos as mesmas tristezas e alegrias de Pip. Quanto ao romance do Pip com a Estela, ele tem um quê de O Morro dos Ventos Uivantes. Por vezes o livro se torna parado, mas após certo ponto na estória você pega um ritmo, você começa a ler o livro cada vez mais rápido na ânsia de descobrir o final da estória de Pip e dos mistérios que rondam o livro.

Eu li a edição bilíngue publicada pela Landmark e ela é maravilhosa, ela tem capa dura e ainda tem uma sobrecapa para proteção. As letras do livro são menores do que de costume, mas isso é compreensível. Se a fonte fosse muito grande o livro teria o dobro do tamanho e seria mais difícil andar com ele para cima e para baixo (falou a leitora de transporte público!). Além disso, existem também notas de rodapé muito úteis que explicam aspectos culturais da época e que nos ajudam a compreender plenamente a narrativa.
Embora algumas partes merecessem 4 estrelas, a obra como um todo merece 5 estrelas, sem dúvidas. Recomendo esse livro para todos os amantes da literatura. O livro é recheado de citações que você constantemente lê em outros livros, sem saber que na verdade foram extraídas desse. É sempre uma experiência maravilhosa ler um bom e velho clássico, um livro cuja estória atravessou séculos e incontáveis vidas.

"Sim, eu acho que acredito, querido menino. Seria uma surpresa se estivéssemos mais tranquilos e à vontade do que estamos no momento. Mas… é uma brisa tão suave e agradável sobre a água, talvez, que me faz refletir… Eu estava pensando agora há pouco, enquanto fumava, que nós não podemos ver mais além das próximas horas, do que podemos ver no fundo desse rio, cuja água tento agarrar. Nem podemos segurar os acontecimentos que virão, como não posso segurar essa água. Ela escorre pelos meus dedos e desaparece, você vê!"

Classificação


Sobre o autor

Charles John Huffam Dickens foi o mais popular dos romancistas da era vitoriana e contribuiu para a introdução da crítica social na literatura de ficção inglesa. A fama dos seus romances e contos pode ser comprovada pelo fato de todos os seus livros continuarem a ser editados. Entre os seus maiores clássicos destacam-se "Oliver Twist", "A Christmas Carol" e "David Copperfield". Dickens escreveu ainda "História de Duas Cidades", "Grandes Esperanças" e "Nosso Amigo Comum". Nos últimos anos de sua vida iniciou o livro "O Mistério de Erwin Drood", mas morreu antes de concluí-lo.


6 comentários:

  1. Gostari de ter apreciado esta leitura tanto quanto você, mas foi uma leitura muito cansativa para mim, começou tão bem mas depois fui empurrando para não abandonar. Aconteceu a.mesma coisa.com Orgulho e Preconceito não me identifiquei. Mas O grande Gatsby e O morro dos ventos uivantes eu gostei muito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro esses livros antigos, que me levam para outra época.
      Admito que em algumas partes ele foi bem parado, mas gostei da obra como um todo.

      Excluir
  2. Oi Patrícia, tudo bem?

    Eu tenho muita vontade de ler Grandes Esperanças, mas não é prioridade, apenas uma vontade. Fiquei feliz que você gostou tanto. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é um tipo de livro para se ler com paciência. É melhor aguardar para ler quando não estiver desesperado para ler nenhum outro.

      Excluir
  3. Eu tenho curiosidade de ler esse livro. Gostei muito da sua resenha. Só não curti essa capa, não sei pq. Quando tiver tempo e um dinheiro sobrando eu pretendo adquirir esse livro, mas em outra edição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não sou fã de capas baseadas nos filmes, mas essa edição é muito boa.

      Excluir

Vamos ficar super felizes com seu comentário.
Já estamos até sentindo sua falta!
Volte logo tá?
Bjão
Equipe Cia do Leitor