quarta-feira, 14 de junho de 2017

Resenha: Ex-Humanos - de Yan Troisi

Foi travada uma batalha pela sobrevivência entre humanos, vampiros e zumbis no livro Ex-Humanos do autor Yan Troisi, publicado e gentilmente cedido pela Editora Novo Século e selo Talentos da Literatura brasileira.

Eu também travei a minha batalha interna durante a leitura dessa obra. Fui invadida por sentimentos contraditórios de amor e ódio. Mas, isso eu irei lhe contar nas próximas linhas... Fique comigo.

Ex-Humanos
Entre Sangue e Vermes
Yan Troisi
Páginas: 432
Editora: Novo Século

Sinopse:
"A Fome se espalha pela cidade. Com a Terra devastada, entre zumbis e ruínas, os últimos mortais enfrentam a morte e o desespero sem imaginar que embaixo, como se no inferno, um Consilium de vampiros se reúne para caçá-los até as últimas consequências. O sangue fresco está acabando. E quando um misterioso assassinato acomete a frágil lealdade dos perpétuos, o líder protetor dos clãs, Kanaan, se vê numa trilha que o levará a tomar a decisão mais difícil de sua pós-vida. Perdidos entre os mortos e uma cidade-fantasma, sobreviventes lutam para proteger um grupo de crianças enquanto um de seus líderes, Noah, herda um fardo muito maior do que qualquer um pode carregar. Todos nessa guerra são ex-humanos, sejam crianças atormentadas, mortos reanimados ou imortais com sua gula de sangue e jogos sombrios. O amanhecer-eterno se aproxima. As peças começam a se mover rodeadas por névoa e chuva, escuridão e desespero."
Fantasia / Ficção / Literatura nacional
"Quando os mortos voltam é hora de os vivos partirem."
Houve uma época em que acreditei que histórias com seres fantásticos da literatura clássica,  tais como: vampiros, lobisomens, Frankenstein, bruxas, achava que eles jamais deveriam se misturar, viveriam suas historias cada um no seu quadrado. Como pode um vampiro e um lobisomem protagonizarem a mesma historia? Que Absurdo! Seria como Drácula pernoitar na catacumba de uma múmia e brindarem à amizade com duas taças de Sangue do porto. Tsc, tsc, jamais.

Mas, eu estava enganada. Li um livro há dois anos passados que mudou essa minha visão a esse respeito. E foi a partir dessa leitura que resolvi derrubar o muro do preconceito e abraçar a causa. (Desculpe, não citarei o nome do livro aqui, pois é da concorrência. rsrs)

E quando a editora Novo Século anunciou o lançamento de Ex-Humanos, eu logo me apressei a pedi-lo pra resenhar, pois sentia que a leitura seria positivamente peculiar e muito proveitosa.

Resenha:

O livro se inicia em um cenário pós-apocalíptico, com personagens em pânico tentando sobreviver à extinção de uma raça. Fugindo de inimigos que um dia foram mais que aliados, suas famílias, amigos, conhecidos... tudo se esvaiu.

Anos se passaram desde que um vírus se espalhou na terra aniquilando uma grande parcela de seus habitantes. Em todo o planeta, os mortos estavam voltando a vida com uma fome imensurável por carne. Sim, estamos falando de zumbis. Os poucos humanos que restaram na terra sentiam-se encurralados por esses seres sem emoção, sem lembranças, vazios e esfomeados.
"Rebeldes lutando contra os novos tempos, resistindo à morte da forma que podem. Dizem que todos são bem-vindos. Cada um deve chegar da forma que conseguir."
Dizia-se através de murmúrios que existia um grupo de aproximadamente 250 pessoas tentando sobreviver ao caos que a terra tinha se formado. O grupo aumentava a cada amanhecer, pois estavam acolhendo pessoas que assim como eles procuravam um abrigo seguro pra viver. No fundo eles tinham esperanças de um novo e próspero futuro. O grupo achava que estavam protegidos dos zumbis na fortaleza criada por eles, mas, o que não sabiam é que seus verdadeiros atroz estavam debaixo seus pés em túneis construídos por toda a cidade.

Nesses túneis vampiros com a mesma fome de sobrevivência, reuniam-se para uma caçada diária em busca de "comida". Claro, que os imortais mais sábios tinham consciência que se os humanos fossem exterminados da terra, eles também seriam. Portanto, tudo tinha que ser feito com cautela e sabedoria. Mas, a fome era tanta que não existiam freios para suas atitudes e a cada dia uma vida humana se perdia em suas mãos, trazendo preocupação para os antigos e todo o Teatro.

Noah, é o jovem humano escolhido para proteger e guiar as 250 pessoas para um lugar seguro, ele descobre que não é tão fácil ser o líder de uma raça em extinção com tantos inimigos no lado de fora dos muros que os protegiam. Após uma perda irreparável, ele recebe mais uma tarefa, encontrar um desconhecido que tem a resposta para o destino da humanidade. E é nessa busca perigosa que Noah e seus amigos percebem que o mal está a espreita em todos os lugares, esperando apenas o momento certo para agir.

Vampiros e mortos-vivos se digladiam pela carne e sangue dos últimos humanos da face da terra.
Quem vencerá essa batalha?

Impressões:

Como falei no inicio desta resenha, eu tinha grandes expectativas por este livro. Portanto, mergulhei de cabeça na leitura certa de que vibraria a cada virar de página.  E a coisa não foi bem assim, pelo ao menos no inicio.

Sim, o autor tinha em suas mãos um material incrível, personagens bem construídos, uma trama bem desenvolvida, com um longo e fantástico caminho para se percorrer. Fui apresentada aos personagens principais, de cada clã. Humanos, vampiros, Pisachas (Menos dos zumbis, pois eles não pensam. kkk) Até aí tudo bem. Mas, quando chegou a vez de conhecer os vampiros, eu pirei. Eram muitos personagens para se gravar e com nomes extremamente peculiares, me perdi diversas vezes na leitura tentando assimilar quem era quem. 

Os capítulos sempre se iniciavam com um bando, de forma aleatória. Tinha capítulos com vampiros do teatro, outros com agentes vampiros, cenas com Pisachas (seres inferiores aos vampiros), outras com humanos em tocas, humanos patrulhando... É aí que percebi a confusão em minha mente se formar. Como gravar o nome de todos?
Em um determinado momento da leitura, percebi que a história estava se arrastando demais à cada mudança de cenário. Como em alguns capítulos no covil dos imortais, eles ficaram entediantes e com situações ao meu ver, desnecessárias. Os grupos que mais apreciava ler eram dos Pisachas, dando destaque ao menino "Sempelo" e dos humanos, encabeçado por Noah. Mas, até eles tiveram seus momentos tediosos, mas que passou logo. 

Mas, nem tudo foi por água abaixo, porque o livro começou a agitar e me chamar pra briga a partir das 200 páginas. A trama finalmente estava se desenrolando, dando vida a uma surpreendente e próspera história de luta e esperança. Comecei a gostar do rumo que a estória estava seguindo, a me senti reanimada por conta das reviravoltas e toda uma premissa de um final incrível. E assim se fez, o autor me fisgou de vez. Foi fascinante o desfecho da obra, estava sem ar nos pulmões (Não era asma)

Virei fã do vampiro Kanaan, amei sua atitude e já quero ler a continuação desta série. Prometo reclamar menos e saborear mais. Pois, valeu demais insistir  na leitura, foi de fato incrível. Repito, o livro não é ruim, por favor. Só é um pouco confuso seu inicio devido a muita informação pra assimilar. Seja persistente e terá seu prêmio no final.

Uma divertida curiosidade: Eu acho interessante e até engraçado quando um personagem de um livro distópico que vive entre zumbis diz não acreditar em vampiros. É muito comum em livros e filmes comentário como: "- Isso não é possível!
O que é possível, ver mortos andarem? A essa altura eu acreditaria até na loira do banheiro! >_< 

Desejo que o próximo livro se inicie como terminou, elétrico, máscaras caindo, com mais reviravoltas e hip-hip hurra! Estou ansiosa. :)

VÍDEO RESENHA:


Boa leitura pra vocês!

Sobre o autor:
YAN TROISI nasceu em São Paulo, mas cresceu em Santos-SP, acompanhado por seus irmãos e ouvindo sua avó contar sobre lugares mágicos e bosques escondidos. Formou-se em Jornalismo e sempre preferiu visitar uma livraria a qualquer outro lugar. Pelo menos até agora, nunca conheceu um vampiro.










14 comentários:

  1. cara Niiiii, quanto tempo menina, não nos deixe sem suas resenhas explosivas, adooooro!
    confesso que nesta miscelânea eu não botava muita fé não. gosto de tudo que há aqui, vampiros, zumbis e, pasme, até de humanos (brincadeirinha). mas tudo junto e misturado começa a ficar um pouco estranho, pedante talvez. percebi que esta foi sua reação também, pelo menos no início.
    assim que começaram a pipocar as primeiras resenhas deste livro eu ia correndo lê-las. a maioria sentiu a mesma dificuldade com a quantidade de personagens (não temo issso, já que o mestre King, começa com 100, mata 50 e enfia mais 150, rs), e com passagens menos dinâmicas, digamos assim. por outro lado havia considerações finais sempre elogiando a obra como um todo. então acho que o balanço é positivo.
    curioso mesmo é Kanaan (o nome diz muito né?). bjos querida, adorei a resenha, você é mágica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaaah Rodolfo, amos suas palavras, sempre de incentivo. O livro é muito bom no geral, mas como toda relação a gente meio que trava batalhas que são vencidas no final. E quem ganhou dessa vez foi o livro. Apesar da minha confusão pessoal, tenho que reconhecer que a historia é muito boa. Valeu o esforço, livro merecido de ser lido e indicado.

      Bjão querido!

      Excluir
    2. querida Ni, minhas palavras refletem o que sinto quando me deparo com suas resenhas, você sabe que as adoro. você dissecou o livro e saiba que abriu meu apetite. desejo todo sucesso pra este novo autor. aguardo mais e mais resenhas suas. bjos
      Rodolfo - Ler para Divertir

      Excluir
  2. Olha, eu amo histórias com zumbis. Já com vampiros, sinto que ficou meio saturado. Porém, daria uma chance a essa história. Parece interessante. Mesmo que o começo, como você disse, possa ser um pouco confuso devido ao grande número de informações.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  3. Oiii,Tanto o vídeo como a postagem estão um máximos deu pra entender tudo,Todos os seus pontos da história tudo,Eu me surpreendi também um pouco,Eu não tinha ouvido nem visto o livro ainda rsrsrsrs adorei o vídeo meus parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Oie! Eu sempre tento evitar histórias que possuem zumbis, pois, a não ser que tenha algo muito espetacular, para mim é sempre mais do mesmo, com um grupo de pessoas escapando e tentando sobreviver. Achei bem inusitada a forma como o autor misturou essas criaturas tão distintas. Não sei se eu leria por conta das partes entediantes, mas fiquei bem curiosa para conhecer.

    Beijos, beijos.

    ResponderExcluir
  6. Bah, bem diferente mesmo um livro que misture vários personagens de diferentes mitos. É algo pra o qual geralmente não estamos preparados, pois envolve muitas mitologias diversas. Achei bacana a premissa da história, apesar de ser realmente um saco quando o autor coloca trocentas personagens, todas com nomes bizarros que a gente não consegue decorar, hahaha

    ;*

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?
    Não conhecia a obra, mas ela não me chamou a atenção
    Não curto fantasia com vampiros e tal por isso fujo um pouco da premissa
    Amei a sua resenha e já aguado proximas dicas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oie
    a obra é bem interessante, mão é um gênero que eu esteja acostumada mas que me deixa curiosa sim. Quem sabe eu não arrisque quando tiver oportunidade, o enredo está bem interessante

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá Nizete, já de inicio adorei essa combinação cenário pós-apocalíptico + vampiros + zumbis e apesar de o inicio da leitura ser meio complicado pelos seus comentários com certeza eu quero lê-lo *-* Adorei a dica.

    ResponderExcluir
  10. Oii
    Sabe que eu até gostei e me interessei pela história. |Adoro essa pegada de pós-apocalíptico, mas eu não sei se leria. Que bom que o livro foi ficando bom com a avanço da leitura e que o final tenha sido ótimo!
    Bjus

    ResponderExcluir
  11. Olá! Também pensava que nem você, cada um tinha que ficar no seu quadrado rsrsrs Mas, li Diário de um vampiro e passei a gostar da misturas de criaturas em uma mesma história. Gostei da premissa, mesmo com suas ressalvas, fiquei curiosa para conhecer o livro, apesar de não curtir muito histórias com zumbis. Achei a capa bem legal, obrigada pela dica, beijos!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Nizete. Tudo bem?
    Confesso que fiquei confusa... zumbis, vampiros, clãs: tudo no mesmo livro hehe gosto de fantasia, mas não tenho certeza se leria essa obra. Beijos <3

    ResponderExcluir

Vamos ficar super felizes com seu comentário.
Já estamos até sentindo sua falta!
Volte logo tá?
Bjão
Equipe Cia do Leitor